segunda-feira

Antologia – Concurso de Contos de Ficção

.
Seleção de contos de ficção voltada a autores residentes no Brasil. As inscrições vão até 20 de janeiro de 2018.

O regulamento você confere aqui.

Para mais informações e contato, aqui.

Realização Ed. Sentinela

Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar as nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

quarta-feira

Revista literária faz chamada para publicação

.

O prazo é relativamente curto, mas dá pra pegar...
A revista receberá poesias, prosas e ensaios para o seu próximo numero que vai para a 4ª edição.
O prazo vai até o dia 10 de dezembro próximo.
Para mais informações: Marinatambalo
Se quiser conferir a edição anterior da revista, clique aqui.

Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar as nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

domingo

Apesar do fascínio dos smarts nas crianças, dá para colocar o livro na brincadeira

.
É uma ideia genial de uma mãe que criou esta brincadeira para relativizar o ‘domínio’ dos ‘smarts’ sobre os pequenos e promover a iniciação à leitura.

Como sabemos, a leitura, e os livros, vão muito além do mero entretenimento que os ditos cujos ‘smarts’ possam promover na ‘cabeça’ da molecada, e a iniciação à leitura é feita no convívio o mais assíduo possível com o livro desde cedo.

Veja que boa ideia.
"Uma brincadeira simples que envolve um desafio poderá trazer grandes benefícios para a educação dos seus filhos
Mãe ensina maneira genial de incentivar os filhos a lerem ao invés de ficarem só na internet

Querido pai, querida mãe,

Com que frequência você censurou seus filhos por terem passado muito tempo na internet ou nos games? Algo como:

“Em vez de se sentar com os olhos colados ao seu celular, por que você não lê um livro legal! Os livros são os objetos estranhos que você pode encontrar na biblioteca”.

E então as queixas e discussões começam.

Os smartphones envolvem completamente os jovens… são onde as crianças entram nas mídias sociais e conversam com os amigos. A conexão wi-fi é sua chave mágica para a felicidade.

Se você está procurando uma maneira inteligente de aproximar seus filhos da leitura e tirá-los do WhatsApp, veja o exemplo desta mãe engenhosa que encontrou uma maneira original de educar seus filhos sobre como usar a internet com sabedoria. Sua ideia, que tornou viral na web, também foi relatada na edição italiana do Huffington Post:

“A senha do wi-fi desta semana é a cor do vestido de Anna Karenina no livro. Eu disse o livro, não o filme!! Boa sorte! Mamãe”, ela escreveu em um pedaço de papel.

A única maneira que seus filhos (em idade escolar) poderiam encontrar a senha para a conexão à internet era lendo o livro de Tolstoi.

Não é ruim quando um truque faz as crianças se apaixonarem pela leitura e isso faz obter o seu wi-fi muito desejado se a resposta for correta!

O destino final é a experiência de navegar pela literatura, mas uma pequena caça ao tesouro em uma obra literária é uma ótima maneira de eles começarem.

E quem não gosta de caça ao tesouro?

A propósito, você já leu Anna Karenina?


Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar as nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

segunda-feira

Concurso Literário - Seleção de Contos

.

Antologia – “Um hino ao império”

    Informações:

a)   Seleção de contos

b) Envio pela internet (conforme o Regulamento)

Prazo: 10 de dezembro de 2017

    Organização:

Eber Josué

    Contato – Mais informações e Dúvidas:

concursoliterário.julgamento@gmail.com

    Regulamento:

http://www.gloriosoimperiodobrasil.com.br/   
      
http://gloriosoimperio.wixsite.com/gloriosoimperio/regulamento
       
Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

sexta-feira

Clubes de leitura é uma excelente idéia. Se você gosta de ler, é tudo de bom

.
...se não tem um por perto... Faça o seu (continuação do título).

É tudo de bom, mesmo! Eu já participei de um destes. A bem da verdade, agora não faço parte de nenhum. Vou aproveitar o ‘conselho’ no título e aplicar em mim mesmo.

Entretanto, se não tem um clube de leitura assim onde você mora, dá para fazer um. É só reunir a ‘turma chegada’ na leitura e dar a ideia. Um bom lugar para se reunirem pode ser o espaço de uma biblioteca local.
Clubes de leitura se espalham por SP
Grupos se reúnem mensalmente em bibliotecas, livrarias e instituições culturais; pesquisa aponta que três em cada quatro participantes são mulheres.

“Ler é muito solitário. Então, quando a gente tem a possibilidade de trocar experiências, fica um hábito mais completo.” A afirmação da servidora pública Leila Costa Pereira, de 40 anos, resume bem o que leva cada vez mais paulistanos a frequentar clubes de leitura – há dezenas espalhados por bibliotecas, livrarias e outras instituições culturais da cidade.

Integrante há dois anos do clube da Biblioteca Mário de Andrade, no centro, Leila também simboliza uma estatística: segundo pesquisa interna da editora Companhia das Letras, a imensa maioria dos frequentadores de grupos do tipo é de mulheres (76,7%) de 30 a 59 anos (38,7%). Como era de se esperar, os membros desses clubes são leitores vorazes (40,6% consomem de quatro a seis títulos por trimestre e 36,4% dedicam de 1 a 2 horas por dia aos livros).

O grupo da Mário foi criado em 2013 e é frequentado assiduamente por cerca de 20 pessoas. “Cadastrados em nossa base de e-mail, são mais de 40”, conta a coordenadora, a produtora cultural Natame Diniz, de 26 anos. A cada mês, uma obra é escolhida para ser devorada ao longo das quatro semanas e comentada no encontro seguinte, sempre na segunda quarta-feira de cada mês. O título da vez é Dois Irmãos, de Milton Hatoum. “Na troca de impressões, pela bagagem de cada um, é como se um livro pudesse se abrir em vários diferentes”, comenta o publicitário Heitor Botan, de 27 anos, assíduo participante.

A médica Maria Aparecida Telles, de 66 anos, gosta tanto da ideia que já participou de seis grupos diferentes – atualmente, vai aos clubes da Mário de Andrade, da Casa das Rosas e da livraria Martins Fontes. “A cada encontro, saio enriquecida pela diversidade de visões apresentadas.”

Continue lendo, aqui (e se mora em São Paulo confira endereços)

Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar as nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

quarta-feira

Seleção de contos – Antologia – “Um hino ao Império”

.
Seleção de contos

O objetivo é a narração de um fato fictício/fantasioso que possa ter ocorrido em torno da criação (ou outro fator motivador) do Hino Imperial do Brasil ou outro Hino de grande importância para o Império/Monarquia.

Leia mais detalhes no regulamento, aqui.

Envio pela internet em prazo até o dia 10 de dezembro de 2017.

Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar as nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

domingo

Se não viu, ainda dá tempo: Seleção de contos, poesias e crônicas

.
Não é bem um concurso literário, diríamos assim, mas uma convocatória para publicação na revista, o que é uma excelente oportunidade de aparecermos, entre aspas, não é verdade?

Confira abaixo:
Informações:

a) Seleção de contos, poesias e crônicas
b) Envio pela internet (conforme o Regulamento)

Premiação:

I) Pagamento em dinheiro pela publicação
Prazo: 05 de novembro de 2017

Organização:

Revista Vacatussa

Contato - Mais informações e Dúvidas:

vacatussa@gmail.com

Regulamento: 

http://www.vacatussa.com/convocatoria-para-revista-vacatussa-n-14/

Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar as nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

sábado

A qualidade Nº1 dos escritores de sucesso. Pode crer!!!

.
É isso! Pode crer! Com este roteirinho, entre aspas, fica bem mais fácil se enveredar – de vereda (conforme dicionário, caminho alternativo, apertado, atalho...) – para ser um escrevinhador de realce, de sucesso, como se diz.

‘Olhando assim... ’ Parece que tem tudo a ver...

Confira: 

Todo roteirista ou romancista bem sucedido que eu conheço possui uma qualidade marcante: a tenacidade.

A diferença entre escritores que trabalham e os diletantes não é o talento, ou a idade, ou o gênero sexual, ou a geografia, ou as conexões, ou a indústria, ou a economia, ou as manchas solares, ou qualquer outra coisa que os escritores dizem a si mesmos pra evitar enfrentar esta verdade: escritores escrevem.

Todo roteirista ou romancista bem sucedido que eu conheço possui uma qualidade marcante: a tenacidade.

A diferença entre escritores que trabalham e os diletantes não é o talento, ou a idade, ou o gênero sexual, ou a geografia, ou as conexões, ou a indústria, ou a economia, ou as manchas solares, ou qualquer outra coisa que os escritores dizem a si mesmos pra evitar enfrentar esta verdade: escritores escrevem.

Eles escrevem todos os dias, eles começam seu livro ou roteiro atual logo que terminam o último, eles pensam em termos de carreira e não de uma única venda, e eles olham a si mesmos pra cada história não vendida como um passo necessário para melhorar seu ofício.
 - As características que estão por trás dessa qualidade essencial, incluem (em nenhuma ordem particular). 
 - Permanecer aberto a ideias e críticas, enquanto defende os componentes essenciais de sua história e personagens. 
 - Ler muitos roteiros de sucesso  recentes (para roteiristas) ou romances (para romancistas), e ver um monte de filmes (para ambos). 
 - Considerar o potencial comercial de um conceito de história, e não apenas o seu apelo pessoal. 
- Manter cada uma de suas histórias simples – fáceis de expressar em uma única frase, e aderir a uma história narrativa única e forte, definida pelo desejo irresistível do personagem principal – sem um monte de personagens irrelevantes ou elementos de enredo tangenciais. 
- Empregar conflito para provocar emoção, e tornar quase impossível para os heróis de suas histórias serem bem-sucedidos. 
 - Manter o seu estilo de escrita vivaz, mas simples o suficiente para garantir uma leitura rápida, fácil e agradável. 
 - Certificar-se de que tudo é profissional: formato, ortografia, a gramática; a pontuação – e o seu próprio comportamento.
Artigo do autor, palestrante e consultor de roteiros Michael Hauge, e tirado do site dele, Story Mastery.

Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

sexta-feira

Dica de primeira. Veja a lista dos 100 melhores livros da literatura mundial

.
Ler já é um processo bom demais – processo, não... Uma ‘curtição’ maravilhosa – independente até da qualidade do que anda lendo, sobretudo nestes “tempos bicudos” quando as pessoas se “viciaram” em ficar o tempo todo ‘passando o dedo’ no visor daquele negócio... Os tais smarts e celulares...

Vendo sabe-se lá o que...

Entretanto, se você quiser uma pistazinha para orientar suas leituras, veja abaixo a lista dos considerados maiores da literatura universal... É só escolher! Em qualquer biblioteca você os encontra.

Confira!

         "Os 100 livros essenciais da literatura mundial

Saiba o que é importante ler, de Homero a Machado de Assis, para entender a história da literatura.

Jorge Luis Borges imaginou certa vez uma biblioteca que contivesse todos os livros do mundo - não apenas os existentes, mas também todos os possíveis. Mais: um único volume desse acervo fantástico ofereceria a chave de compreensão de todos os outros, permitindo que decifrássemos, afinal, o que somos. O texto, A Biblioteca de Babel, foi publicado no Brasil no livro Ficções, uma das 100 obras presentes na lista de 100 livros essenciais da literatura mundial. Esta lista, naturalmente, é mais modesta que o volume imaginado pelo escritor argentino, mas não deixa de ser ambiciosa na sua abrangência. 

Para fazer a seleção, nos baseamos, sobretudo, nos estudos do crítico americano Harold Bloom, autor de O Cânone Ocidental e Gênio, além de rankings anteriores, como os da revista Time e da Modern Library, selo tradicional da editora americana Random House. No entanto, a decisão final coube à redação da revista BRAVO! E aos colaboradores especialmente convidados para este trabalho.

Uma lista tão reduzida como esta, diante de uma produção tão vasta, implicou escolhas difíceis já na seleção dos livros. Como conciliar a importância histórica com o apreço pessoal? Não há ciência que possa responder a questões como essa - nem é nossa intenção. A lista que aqui apresentamos tem por objetivo estimular os leitores a fazer as suas próprias. A partir dessas infinitas listas, que contam infinitas histórias pessoais, quem sabe não nos aproximamos um pouco mais, como imaginou Borges, de entender o que somos. (Texto 
Almir de Freitas)

Confira:

 - Ilíada, de Homero

 - Odisseia, de Homero

 - Hamlet, de William Shakespeare

 - O Engenhoso Fidalgo Dom Quixote de la Mancha, de Miguel de Cervantes

 - A Divina Comédia, de Dante Alighieri

 - Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust

 - Ulisses, de James Joyce

 - Guerra e Paz, de Leon Tosltói

 - Crime e Castigo, de Fiódor Dostoiévski

 - Os Ensaios, de Michel de Montaigne

 - Édipo Rei, de Sófocles

 - Otelo, de William Shakespeare

 - Madame Bovary, de Gustave Flaubert

 - Fausto, de Johann Wolfgang von Goethe

 - O Processo, de Franz Kafka

 - Doutor Fausto, de Thomas Mann

 - As Flores do Mal, de Charles Baudelaire

 - O Som e a Fúria, de William Faulkner

 - A Terra Desolada, de T. S. Eliot

 - Teogonia, de Hesíodo

 - Metamorfoses, de Ovídio

 - O Vermelho e o Negro, de Stendhal

 - O Grande Gatsby, de Francis Scott Fitzgerald

 - Uma Temporada no Inferno, de Arthur Rimbaud

 - Os Miseráveis, de Victor Hugo

 - O Estrangeiro, de Albert Camus

 - Medeia, de Eurípides

 - Eneida, de Virgílio

 - Noite de Reis, de William Shakespeare

 - Adeus às Armas, de Ernest Hemingway

 - O Coração das Trevas, de Joseph Conrad

 - Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley

 - Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf

 - Moby Dick, de Herman Melville

 - Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe

 - A Comédia Humana, de Honoré de Balzac

 - Grandes Esperanças, de Charles Dickens

 - O Homem sem Qualidades, de Robert Musil

 - As viagens de Gulliver, de Jonathan Swift

 - Finnegans Wake, de James Joyce

 - Os Lusíadas, de Luís de Camões

 - Os Três Mosqueteiros, de Alexandre Dumas

 - Retrato de uma Senhora, de Henry James

 - Decamerão, de Giovanni Boccaccio

 - Esperando Godot, de Samuel Beckett

 - 1984, de George Orwell

 - A Vida de Galileu, de Bertolt Brecht

 - Os Cantos de Maldoror, de Lautréamont

 - A Tarde de um Fauno, de Stéphane Mallarmé

 - Lolita, de Vladimir Nabokov

 - Tartufo, de Molière

 - As Três Irmãs, de Anton Tchekhov

 - O Livro das Mil e Uma Noites

 - O Burlador de Sevilha, de Tirso de Molina

 - Mensagem, de Fernando Pessoa

 - Paraíso Perdido, de John Milton

 - Robinson Crusoé, de Daniel Defoe

 - Os Moedeiros Falsos, de André Gide

 - Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis

 - O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde

 - Seis Personagens à Procura de um Autor, de Luigi Pirandello

 - As Aventuras de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll

 - A Náusea, de Jean-Paul Sartre

 - A Consciência de Zeno, de Italo Svevo

 - Longa Jornada Noite Adentro, de Eugene Gladstone ONeill

 - A Condição Humana, de André Malraux

 - Os Cantos, de Ezra Pund

 - Canções da Inocência-Canções da Experiência, de William Blake

 - Um Bonde Chamado Desejo, de Tennessee Williams

 - Ficções, de Jorge Luis Borges

 - O Rinoceronte, de Eugène Ionesco

 - A Morte de Virgílio, de Hermann Broch

 - Folhas de Relva, de Walt Whitman

 - O Deseros dos Tártaros, de Dino Buzzati

 - Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez

 - Viagem ao Fim da Noite, de Louis-Ferdinand Céline

 - A Ilustre Casa de Ramires, de Eça de Queirós

 - O Jogo da Amarelinha, de Julio Cortázar

 - As Vinhas da Ira, de John Steinbeck

 - Memórias de Adriano, de Marguerite Yourcenar

 - O Apanhador no Campo de Centeio, de J. D. Salinger

 - As Aventuras de Huckleberry Finn, de Mark Twain

 - Contos – Hans Christian Andersen

 - O Leopardo, de Tomasi di Lampedusa

 - A Vida e as Opiniões do Cavalheiro Tristram Shandy, de Laurence Sterne

 - Uma Passagem para a Índia, de Edward Morgan Forster

 - Orgulho e Preconceito, de Jane Austen

 - Trópico de Câncer, de Henry Miller

 - Pais e Filhos, de Ivan Turguêniev

 - O Náufrago, de Thomas Bernhard

 - A Epopeia de Gilgamesh

 - O Mahabharata

 - As Cidades Invisíveis, de Italo Calvino

 - Oh The Road, de Jack Kerouac

 - O Lobo da Estepe, de Herman Hesse

 - O Complexo de Portnoy, de Philip Roth

 - Reparação, de Ian McEwan

 - Desonra, de J. M. Coetzee

 - As Irmãs Makioka, de Junichiro Tanizaki

 - Pedro Páramo, de Juan Rulfo

Em educarparacrescer

E aí, quais – e quantos – deles você já leu?

Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar as nossas atualizações

 *

Share/Save/Bookmark